Na natureza selvagem: muito além de uma mera ficção

Na natureza selvagem é um filme biográfico de drama, ação e aventura lançado em 2007 com roteiro e direção de Sean Penn, mais conhecido pela sua atuação em filmes como Milk – a voz da igualdade, A árvore da vida e A vida secreta de Walter Mitty. O elenco conta com artistas como Emile Hirsch (Speed Racer e Milk – a voz da igualdade), William Hurt (A.I. Inteligência artificial, Instinto secreto e Homem-formiga), Catherine Keener (Capote, Onde vivem os monstros e Percy Jackson e o Ladrão de raios) e Vince Vaughn (Jurassic Park: o mundo perdido, Zoolander e Penetras bons de bico).

O filme é baseado no livro homônimo de 1996 escrito por Jon Krakauer, autor de No ar rarefeito, jornalista e alpinista norte-americano. Krakauer pesquisou a fundo e narrou a história real de Christopher McCandless de forma impressionante. Aos 22 anos, recém formado em história e antropologia, Chris doa os 24 mil dólares que possui em sua conta bancária e deixa a “vida boa” e, aparentemente, estável ao lado da família de classe média alta para viver com o mínimo e usufruir do que a natureza oferece. Suas histórias e motivações refletem seu descontentamento com a importância que as pessoas atribuem às coisas materiais. Escritores como Thoreau, Tolstói e Jack London inspiraram o jovem e sua trajetória cheia de aventuras e aprendizados. Após dois anos na estrada, ele chega ao Alasca, com equipamento precário e um saco de arroz. Chris passa a viver em meio à selva, estando totalmente sujeito às condições da natureza, que proporciona a ele sorte e azar. Durante os quatro meses que permaneceu nas montanhas, ele sobreviveu por conta de colheita e caça e viveu dentro de um ônibus abandonado nas proximidades do Parque Nacional Denali, que ele apelidou de “ônibus mágico”. O jovem descreveu suas viagens e seus pensamentos em um diário com o pseudônimo de Alex Supertramp.

Sem jamais ter de voltar a ser envenenado pela civilização, foge e caminha sozinho pela terra para se perder na floresta.

Com um ritmo leve e cativante, o roteiro de Na natureza selvagem é cheio de frases profundas e referências aos autores que influenciaram a trajetória de Chris. Os três eram questionadores que, coincidentemente, viveram em meio à natureza em alguma parte de suas vidas – Thoreau ficou recluso da sociedade por um tempo, Tolstói optou por viver no campo e London foi garimpeiro no Alasca. O protagonista reúne, sem dúvida, um pouco de cada um deles.

A fotografia de Na natureza selvagem é sensacional, pois o filme foi quase todo rodado em locações. Diversas paisagens dos Estados Unidos foram utilizadas, o que dá um toque especial de realidade à película. Além disso, foram feitas quatro viagens ao Alasca para gravar em diferentes estações do ano. Contudo, o ônibus de McCandless, que hoje é atração turística, não foi utilizado para as gravações. Uma réplica foi produzida por conta de o veículo original estar localizado em uma região muito remota do Alasca.

A trilha sonora do filme é, em grande parte, responsabilidade de Eddie Vedder, vocalista e guitarrista da banda de rock estadunidense Pearl Jam. Vedder compôs e interpretou a maioria das músicas tocadas ao longo da trama, lançando seu primeiro trabalho solo. As canções do longa propõe momentos de reflexão sobre a vida. Em quase todas as cenas, a música é fundamental para a condição do personagem – a conexão entre o som e o sentimento ocorre de forma incrível.

O grande diferencial de Na natureza selvagem não está no fato de um jovem largar tudo para viver na estrada, até porque o final da história de McCandless é bastante conhecido. Mas está no fato do enredo lidar com os sentimentos de uma pessoa em sua essência. Christopher McCandless não é só uma personagem de um filme. Ele é alguém real, cujas expectativas e agonias são facilmente reconhecidas por qualquer um. Medos, frustações, desejos e alegrias são expostas ao telespectador ao longo de uma história que é linda, pura e totalmente reflexiva.

Após quase 2h30 assistindo Na natureza selvagem um inevitável questionamento em relação ao dia a dia que cada um está condicionado é gerado no espectador. Para alguns, a ideia de McCandless de romper com o padrão e com a sociedade do consumo soa controversa. Mas, para outros, sua insatisfação com o mundo serve como impulso para o autoconhecimento e controle da inquietação.

O filme foi indicado ao Oscar por melhor ator coadjuvante (Hal Holbrook) e melhor edição, e ao Grammy por melhor canção original (Guaranteed). Na natureza selvagem ganhou um Globo de Ouro por essa canção.

Into the Wild

Ficha técnica

Título: Na Natureza Selvagem (Into the Wild)

Ano: 2008

Lançamento: 14 de Março de 2008

Distribuição: Paramount Pictures

Gênero: aventura, ação, drama

País: Estados Unidos

Roteiro: Sean Penn

Produção: Sean Penn, Art Linson, Bill Pohlad, Frank Hildebrand

Direção: Sean Penn

Elenco: Emile Hirsch, Marcia Gay Harden, Willian Hurt, Jena Malone, Brian Dierker, Catherine Keener, Vince Vaughn, Kristen Stewart, Zach Galifianakis

Classificação: 12 anos

Duração: 2 horas 27 minutos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s